segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O COLONIALISMO PORTUGUÊS E A SOCIEDADE ANGOLANA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

1- FRUSTRAÇÃO DA EXPECTATIVA COLONIAL NO PERÍODO DA PRIMEIRA REPÚBLICA (1910 - 1926)


As dificuldades econômicas, e o descontentamento social às condições de vida e à crescente afirmação do republicanismo  a partir do Ultimato Inglês de 1890, levou a queda da Monarquia Portuguesa e a Implantação da Primeira República em 5 de Outubro de 1910.

A Implantação da República em Portugal permitiu um grande alívio nos métodos de colonização: começou haver alguma tolerância nas colonias.

O governo saído da Revolução Republicana Portuguesa não conseguiu resolver os problemas econômicos que inquietavam a população. Contudo, a instabilidade governativa e as dificuldades socioeconômicas foram de difícil resolução.

A degradação do regime Republicano conduziu ao Golpe Militar de 1926 chefiado pelo general Gomes da Costa. Era o fim da Primeira República e a Instauração de uma Ditadura Militar em Portugal (1926 - 1932).  

Em 1928, foi eleito um novo presidente da República, o general Óscar Carmona. A fim de resolver as dificuldades econômicas e financeiras, foi nomeado Ministro das Finanças o Professor da Universidade de Coimbra, António de Oliveira Salazar.

As medidas tomadas por Salazar trouxeram-lhe grande prestígio e influência, pelo que, em 1932, foi convidado para chefiar o governo.

Em 1933 apresentou ao país uma Nova Constituição Política. Era o início do Estado Novo.

O Estado Novo foi um regime ditatorial instaurado por Salazar a partir da Constituição de 1933. Um dos principais suportes do regime Salazarista foi a polícia política (PVDE e PIDE) e os principais instrumentos de defesa e propaganda do regime foram o Secretariado da Propaganda Nacional e a Mocidade Portuguesa.  


O COLONIALISMO

O Estado Novo considerava as colonias como parte integrante do Território Nacional Português.
As colonias tiveram uma grande importância na política Salazarista, tanto a nível político como econômico:
*politicamente constituíam uma forma de engrandecer o país e reforçar a ideia de império;
*economicamente eram uma fonte de matérias primas para a indústria e um grande mercado para o escoamento da produção agrícola e industrial portuguesa.

Em 1933, Salazar, ainda Ministro das Finanças, criou o Ato Colonial. Este documento afirmava que as colonias eram parte integrante da Nação Portuguesa e que cabia a Portugal defender, civilizar e colonizar os territórios do império colonial Português (levar a língua, a cultura, a religião, em suma, a civilização aos povos não civilizados).

Após a segunda Guerra Mundial, as colonias passaram a ser designadas '' Províncias Ultramarinas''. 

1 comentário: